Georreferenciamento


Desde dezembro de 2013, um convênio do Projeto Bichos do Pantanal, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Ambiental, e realizada pelo Instituto Sustentar de Responsabilidade Socioambiental, oficializou uma parceria com a Universidade do Kansas. O Projeto vai disponibilizar uma nova ferramenta de geoprocessamento de informações sobre a natureza para um estudo no Pantanal.

O sistema será resultado da união dos registros obtidos pela equipe técnica do Projeto Bichos do Pantanal, que atua na região do rio Paraguai, em Cáceres, no Mato Grosso, com informações captadas por turistas e repercutidas em redes como Picasa, Google+ e Flicker. Essas informações serão decodificadas, e reorganizadas de uma forma que seja possível o seu uso científico.

Nos EUA, há redes semelhantes. Grupos aproveitam as informações registradas por voluntários leigos e as somam com as coletadas por cientistas. A contagem anual de pássaros (Christmas Bird Count, em inglês), é um desses exemplos. O evento ocorre com o apoio de voluntários, formado por famílias, estudantes, observadores e cientistas, que munidos de binóculos e guias de aves, saem por duas semanas com a missão de contar as aves em suas regiões. Os dados obtidos são integrados a um grande banco de dados que faz uma estimativa de quantos pássaros há no país.

“Existe um grande potencial nos registros dos turistas e amantes da natureza, informações que há um tempo eram desprezadas. A ciência só tem a ganhar se forem criadas as ferramentas certas. Esse é o objetivo da nossa proposta, unir os dados coletados por nossa equipe de cientistas, com tudo que já foi registrado por turistas sobre o Pantanal”, afirma Douglas Trent, pesquisador-chefe do Projeto Bichos do Pantanal.

Os dados já coletados pela equipe de pesquisa do Projeto Bichos do Pantanal podem ser vistos no mapa abaixo: